Fotografia: Regra dos Terços #1

sábado, abril 20, 2013

Olá leitores (as) do Distância Certa! Tudo bom com vocês?

Aqui quem fala é a Suian, dona do Sorria e Sinta. Pra quem não sabe, agora faço parte da Equipe do blog Distância Certa. A cada quinze dias (nos sábados) vocês verão um post meu aqui, dando dicas e truques sobre fotografia. Caso alguém queira saber um pouco mais sobre mim, clique aqui.

Durante essa semana fiquei pensando sobre o assunto que eu iria abordar neste post e tive a ideia de escrever sobre A Regra dos Terços. Alguém ai já ouviu falar desta regra? Sei que existem inúmeras pessoas que conhecem a regra, mas não sabem como funciona, por isso achei que fosse um assunto bom pra começar.

Então, pro post não ficar extremamente grande, dividi-o em duas partes. Hoje vou falar da regra utilizada em objetos (pessoas, animais...) parados e no outro post em objetos (pessoas, animais...) em movimento.
Não sei ao certo como, nem onde surgiu a regra dos terços, pois nenhum site aborda este assunto com toda certeza, por isso prefiro deixar esta parte em “branco”.  Sei que a regra era usada antes mesmo de existir a fotografia. Pois é, antes da fotografia existir, quem retratava esta regra em telas eram os pintores. 


Regras não são normas que alguém simplesmente inventou porque não tinha mais o que fazer: elas existem para que quem esteja vendo a foto consiga entender o que o fotógrafo quer passar com aquela imagem. O que ele quer dizer? Qual mensagem ele quer transmitir?
Não é porque você segue uma regra que não pode quebra-la de vez enquanto, nem sempre esta se encaixa no seu ângulo de visão. 
Não é necessária muita explicação para entender essa regra: pegue a sua imagem e desenhe mentalmente um “jogo da velha” nela. Os pontos importantes da sua foto devem ficar em alguma das quatro convergências dessas linhas recém-desenhadas. Se existirem linhas na imagem, dê preferência em posicioná-las junto às linhas do jogo da velha. Abaixo, nos pontos vermelhos, você vê aonde enquadrar os itens preferenciais da foto:





Agora quem nunca entendeu aquela opção de “Grade” que tem em algumas câmeras, ou até em celulares e tablets, começou a achar útil, não? Kkk.
O segredo é que cada foto tem suas características próprias e nem sempre é fácil definir o que vai nas bolinhas. O importante é que antes de tirar a foto você defina o que deve estar em evidência, e faça a composição de acordo com este item:

Cânion de Xingó | 10 mm | ISO 800 | f/3.5 | 1/60s

Neste primeiro exemplo você vê que o barco é claramente o ponto de destaque. Por isso ele se encontra na convergência inferior esquerda: o restante da cena só complementa e dá sentido.

Retrato | 52mm | ISO 100 | f/2.8 | 1/80s

Em retratos o uso básico da regra é sempre manter os olhos no terço superior.

Seljalandfoss, Islândia | 10mm | ISO 100 | f/22 | 0.8s

No caso da foto acima existem dois pontos de interesse, mas eles se equilibram: a cachoeira tendo seu início no canto superior esquerdo e a ponte ocupando a maior parte do canto inferior direito.
Às vezes, como em uma foto de paisagem, você vai se concentrar nas próprias linhas do terço – ao invés das bolinhas. É mais simples do que você imagina: não centralize o horizonte! Não centralize a árvore! Não centralize o monumento! Não centralize as linhas.

 Rio de Janeiro | 12mm | ISO 100 | f/5.0 | 1/125s

Se o céu está mais interessante, deixe-o em evidência, deixando o horizonte abaixo da linha inferior, como na foto acima.

Aracaju | Foto usando o efeito HDR

Se o céu não tem nada demais e você quer dar destaque para o que está abaixo dele, coloque a linha do horizonte posicionada no terço superior.

A Regra dos Terços tem como “regra” a “não centralização” dos pontos de interesse na imagem, mas existem outras regras, e temos que usar o bom senso e a experiência para juntá-las e criar a composição mais harmoniosa possível.

                                                 Madrugada | 10mm | ISO 100 | f/5.0 | 30s 

Nesta foto dá para ver a regra dos terços usada para posicionar o horizonte e os itens de interesse, mas também dá para notar o princípio da simetria. Exatamente: a foto está centralizada verticalmente (além de o reflexo causar mais simetria horizontal). O segredo é não só saber a regra, mas também quando utilizá-la.

Por hoje é isso gente! A fonte utilizada para este post foi o site Dicas de Fotografia e as fotografias aqui usadas foram tiradas do próprio site. 

Espero que vocês tenham gostado do post. Como prometido, a segunda parte  terá a regra usada em objetos em movimentos. Aguardem.

Beijos!!

Você também vai gostar

6 Comentários

  1. Que incrivel, eu amo fotografar e não sabia disso, vou usar nas próximas fotografias... (:

    http://nossoblogsecreto.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fico feliz de ter ajudado, não esqueça que nem sempre a regra precisa ser seguida, tire a fotografia do ponto de vista que você achar melhor :3 Ah, seu blog é muito fofo. Beijos.

      Excluir
  2. Esqueci de comentar aqui Suian!! Desculpe. heheh Mas como eu já havia lhe dito, gostei muito do seu primeiro post aqui no blog. Minha câmera tem esta função mais nunca a usei. kk Na próxima vez que for fotografar irei utiliza-la, vamos ver o que consigo fazer! kkk \o Beijo grande!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada Camilla :3 Obrigada pela confiança também. Não esqueça kk, já estou louca para escrever a continuação deste post :3 Beijos!

      Excluir
  3. Adorei as dicas, super útis *-*
    http://www.alinebencke.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada Aline, muito bom saber isso. Amanhã terá a segunda parte do post *-*

      Excluir

Seguidores